Treinamento e Desenvolvimento

Contrato sem experiência? Remanejo de outro departamento ou contrato alguém com vasta experiência? E agora RH?
Atualmente o treinamento é tido como peça-chave no processo de desenvolvimento organizacional não apenas para profissionais já atuantes que precisam de reciclagem, mas também para a contratação de novos colaboradores sem experiência que necessitam de treinamento.

É claro que se houver uma boa administração de clima organizacional por parte do RH, também para o remanejamento de colaboradores de outras áreas, evitando assim desligamentos e altos custos de contratação quando se tem a mão de obra já disponível só a espera de um bom treinamento. Não desperdicem!
Mas, para que o treinamento possa levar ao desenvolvimento será necessário que o planejamento do mesmo seja bem elaborado para garantir o alcance dos objetivos a que se destina com eficácia.

Vamos lá:
O gestor precisa focar nas qualidades a serem descobertas do funcionário e nas necessidades da empresa, o que costumo observar como “dom”, e não deixa-lo aceitar um novo cargo e o treinamento por medo de um possível desligamento.
Um novo colaborador sem experiência poderá ser um cristal a ser lapidado se houver um bom treinamento com continuidade em seu desenvolvimento seguindo os padrões da empresa de avaliação contínua.

Não desmerecemos um novo colaborador experiente, este também poderá trazer em sua bagagem grandes ensinamentos até mesmo para seus gestores. Lembrando que nenhuma empresa é igual a outra, porém há espaço para novas ideias e novos objetivos. Metas sempre serão um alvo a ser cumprido. Esse profissional também agregará valores a corporação. (Chamamos de implementação e execução).
E por fim, transformar ações e atitudes, com avaliação de resultados continuo.

E como decidir?
Além de uma avaliação rigorosa, das qualidades de cada profissional, do segmento da empresa, deverá ser avaliado cada perfil e o que mais se ouve dizer atualmente: CUSTOS.
Primeiro: você precisará de um bom gestor de RH e do segmento a ser contratado ou remanejado.
Segundo: Evite colaboradores com vícios e o pensamento clichê de síndrome de “Gabriela” ( Eu nasci assim, vou viver assim, vou morrer assim!”)
Terceiro: Use seu conhecimento e aceite desafios.

O Conteúdo da qualquer treinamento deve envolver :
Transmissão de Informações dos departamentos envolvidos.
Desenvolvimento de aptidões:
Não adianta tentar por anos transformar uma abóbora em charrete. Pedra bruta em diamante sim!
Já que sabemos que mudanças assustam.
.
CONCLUSÃO:
Nunca esqueça que o nome se dá a treinamento e desenvolvimento por ser continuo e nos 3 casos precisam de motivação. O treinamento seja para o profissional iniciante, já atuante, ou remanejado deverá ser desenvolvido continuamente e avaliado.

O mundo está mais competitivo e o ambiente profissional cada vez mais concorrido. A cada dia surgem novas tecnologias, novos métodos e processos de se fazer as coisas que antes eram simples, como um texto escrito na antiga máquina de escrever. Mas meus caros, só vai sobreviver quem tiver competências para fazer as coisas de acordo com essas novas exigências do mercado, e do mundo corporativo, e isso serve de lição tanto para a vida cotidiana ou para as organizações.

Por Silvana Borba especialista em gestão de Pessoas exclusivo para o Informativo Taboão.

1 Comentário
  1. Luis Gustavo 2 semanas Atrás
    Resposta

    Mais um excelente texto…parabéns a colunista e ao informativo, textos simples e de fácil compreensão, porém, auxiliam o empregador e o empregado a entender melhor a relação de trabalho.

Deixe seu comentário - OPINE!

Seu email não será publicado.