“Boa demais”: Datena elogia GCM de Taboão 

Vítima do PIX foi libertada, ao vivo, na região do Campo Limpo


Por Redação Online

Na semana passada uma mulher, que trabalha como enfermeira, foi sequestrada na região do Panambi e foi libertada na região do Campo Limpo. Os sequestradores exigiam que a mulher pedisse aos amigos transferências via PIX. O prejuízo da vítima gira em torno dos R$ 7 mil.

O secretário de Segurança de Taboão da Serra, Rodrigo Falcão, deu a notícia de libertação da vítima ao vivo no Brasil Urgente para o apresentador Datena e seus telespectadores.

“Acabei de receber a informação que a vítima foi libertada na rua Carlos Lacerda, região do Campo Limpo, porém os ladrões permanecem a bordo [do carro da vítima] um Jeep Renegade”, declarou Falcão.

A GCM fez buscas na tentativa de localizar a vítima e os bandidos, mas foram recebidos a balas, assim como a equipe de jornalismo da Band. Foram quatro tiros disparados contra as equipes de segurança pública. Datena elogiou a atuação da Guarda Municipal de Taboão dizendo que a equipe participa de operações fantásticas e que é “boa demais”.

“A GCM de Taboão é boa demais. Participa de operações fantásticas”, declarou o apresentador Datena.  

Datena sobre a atuação da GCM de Taboão “boa demais” – Foto: Reprodução

Sobre a situação da vítima, Falcão declarou que “é de cortar o coração” e mostrou sua insatisfação com as leis do país e principalmente com este tipo de transferência instantânea que temos atualmente que é o PIX, já que a polícia não tem nenhum respaldo das autoridades para combater este tipo de crime.

“As leis são muito brandas. Tem que rever as leis do Brasil. E esse negócio desse PIX que está facilitando demais a vida dos bandidos. Porque a polícia não tem a mesma rapidez o mesmo acesso ao banco que eles têm. No momento em que eles recebem o PIX eles transferem para uma conta em 30 segundos. A policia para tentar identificar qual é a conta tem que que mandar um e-mail, um oficio para o banco que vai responder em três dias. Deu três dias a vítima já está morta, está sem seu patrimônio. A polícia não está recebendo das instituições financeiras o respaldo necessário para poder combater este tipo de crime e só tende aumentar”, disse Falcão.

Até o momento os sequestradores não foram presos, mas segundo o secretário é questão de tempo para que a prisão dos mesmos aconteça.

“Os [criminosos] não foram identificados. Estamos próximos de identifica-los. Soubemos que eles são da região do Parque Regina. E a divisão antissequestro está no encalço dos mesmos. É questão de tempo para serem capturados”, disse o secretário Rodrigo.

O caso segue sob investigação.

Deixe seu comentário - OPINE!

Seu email não será publicado.