2ª edição do Acarajé de Iansã em Taboão da Serra foi um sucesso


O evento contou com gastronomia, feira de afroempreendedores e apresentações culturais

A  2ª edição do Acarajé de Iansã realizada no sábado, 04/12, no CEPIM do Jardim Maria Rosa,  contou com a representatividade da cultura de matriz africana, feira de afroempreendedores e apresentações culturais. O evento também foi marcado pela culinária com o  Acarajé que foi distribuído gratuitamente, contemplando a primeira unidade por pessoa.

A Secretaria de Cultura e Turismo de Taboão da Serra, em parceria com Coordenadoria Especial de Igualdade Racial (CEPIR) e o coletivos TaboAfro, Feijoada de Ogum e Movimento Negro Unificado realizam o evento para a desconstrução do racismo e preconceito contra povos  de matrizes africanas.

Pai Joel de Xangô, secretário adjunto de Cultura, explicou sobre a construção do projeto na cidade. “O coletivo acaba idealizando que a melhor forma de fazer a desconstrução da discriminação, do racismo e do preconceito é informando. A 2ª edição do Acarajé de Iansã mostra uma parte da culinária dos povos tradicionais de matrizes, além da moda, música, entre outras coisas que estão dentro desta cultura. E a Prefeitura Municipal do Taboão da Serra, junto com a Secretaria de Cultura e Turismo, vem apoiando os coletivos dessa cidade para, da melhor forma possível, desmistificar todo e qualquer tipo de preconceito”, afirmou.

Antoniela Vieira, psicóloga, que participou pela primeira vez do evento, declarou sua satisfação com a representatividade que observou . “A economia solidária preza pelo afeto e a solidariedade entre as pessoas e tem tudo a ver com a proposta do TaboAfro que é juntar a comunidade de terreiro, de matriz africana para poder trabalhar junto em comunidade e afetuosamente. Estou aqui pela primeira vez e  encantada tanto pela culinária, pelos produtos expostos, como pelo clima de afetividade”, declarou.

André Pereira, um dos integrantes do TaboAfro, explicou que representar as culturas de matrizes africanas é a prioridade do coletivo. “A importância desse diálogo entre o Governo e os coletivos tem essa pegada de raízes africanas e de religiões brasileiras importantes, queremos mostrar para o País todo que a raiz africana é muito forte. Se faz na comida, se faz na dança e no vestuário. O TaboAfro veio para mostrar a importância de ter essas festas aqui em Taboão da Serra e região”, ressaltou.

Por Secom PMTS

Deixe seu comentário - OPINE!

Seu email não será publicado.