Em coletiva, Fernandes anuncia queda na arrecadação municipal e elogia a atuação imprensa



Nesta quarta- feira, 6, o prefeito Fernando Fernandes juntamente com a secretaria de saúde, Raquel Zaicaner, concederam entrevista coletiva para atualizar dados e informações sobre o COVID- 19 em Taboão da Serra.

Fernandes já iniciou a coletiva passando dados dos casos de COVID- 19, onde o municipio tem 690 casos notificados, 273 casos descartados, 226 casos confirmados, 273 casos descartados, 163 casos em andamento, 137 curados e 28 óbitos. No Hospital de Campanha de Taboão da Serra tem 38 internados. Na UPA são 12 pacientes internados, sendo que dois pacientes estão entubados.

“Os casos de menor gravidade ficam no Hospital de Campanha, os casos com maior gravidade ficam na UPA que funiona como uma semi intensiva para o Hospital de Campanha. Hoje temos internados 50 pacientes”, disse Fernandes.

Fernandes também falou da queda da arrecadação do municipio que foi de R$ 12.598.679, 99 em comparação com abril de 2019. O valor enviado pelo Auxílio Financeiro aos Estados e Municípios, que preve repasse de R$ 60 milhões e as suspensão das dividas, não será suficiente para cobrir os gastos municipais, devido a a queda na arrecadação do mês de abril. A tendência é que no próximo mês o deficit de arrecadação seja muito maior.

“Nós vamos ter um repasse de 8 milhoes que é para recompor esses gastos. […], mas nós temos 12 milhoes de perdas [referente a de abril], […] O repasse de 8 milhoes, numero oficial do senado, não cobre os nossos prejuizos. Tem outras alternativas que estamos estudando como o emprestimo de canalização do Corrégo Póa que eu posso suspender o pagamento até dezembro, e alguns outros pagamentos com o Governo Federal, a parte patronal posso suspender até dezembro. Vamos esperar o texto que vem do Senado para ajudar a repor essa perda que é muito grande. A tendencia é que no próximo mês não sejam 12 milhões de deficit de arrecadação, que sejam mais que 12 milhõess porque todas essas areedadações vão cair mais ainda.
Agora, é situaçao muito grave que temos que olhar para outro lado. Vamos olhar para a questão econômica e vamos falar que temos que parar com o distanciamento social? Não. Esse é um erro que não pode ser cometido que ai vai ser um erro muito pior porque ai vamos cometer um desastre na saúde. […] A econômia tem jeito, a vida não”, declarou Fernandes.

Fernandes elogiou o trabalho da imprensa, pois a mesma tem sido responsável pela divulgação, de forma correta, das informações para a população e informando o risco que a populaçao corre caso a saúde entre em colapso. O prefeito, também, defendeu a ciência.

“A imprensa tem sido responsável, continuo vendo isso na imprensa, e tem defendido essas posições, embora ela seja obrigada a publicar as loucuras, besteiras que outros falam, mas ela tem sido muito justa na valorização desta informaçaão correta e nos riscos que as pessoas correm pensando de forma diferente. O que precisamos é lutar para que um assunto como este não seja politizado. Quem tem que falar o que tem que ser feito é a ciencia”, declarou Fernandes.

No total a arrecadação de abril teve uma queda de 28%. Serviços de Cemitério -38%, ITBI -67%, Simples Nacional -51%, Multas de Trânsito -48%, Taxa de Limpeza Pública -6%, IPVA -56%,FPM -6%, IPTU -9%,ICMS-37% e FUNDEB – 33%.

O secretario de manutenção, Daniel Bogalho, também participou da coletiva.

Por Williana Lascaleia, da Redação Online. Colaborou Karen Santiago do ClickRegional

Deixe seu comentário - OPINE!

Seu email não será publicado.