Em Taboão, família de idosa vítima de covid-19 enterra corpo de outra pessoa; prefeitura vai apurar erro

A família realizou o enterro de uma pessoa como sendo Antônia Ribeiro de Jesus, de 81 anos, neste domingo (31), mas foi avisada depois que tinha sepultado outra mulher, que tinha recebido corpo trocado na UPA Akira Tada, em Taboão da Serra. Os familiares não puderam fazer a identificação visual da idosa por conta dos protocolos sanitários. Antônia morreu de covid-19. A outra vítima, que também teria falecido com o novo coronavírus, não foi identificada.

Depois de mais de uma semana com sintomas respiratórios, Antônia foi internada na segunda-feira (25) no hospital de campanha municipal, mas piorou e foi transferida na quinta-feira (28) para a UPA, que atende pacientes graves de covid-19. Após o enterro, no Cemitério da Saudade, os familiares receberam uma ligação da própria UPA que informava que o corpo de Antônia ainda estava na unidade – e descobriram que haviam sepultado outra pessoa.

“Ligaram da UPA dizendo que o corpo que foi enterrado às 11h não foi o da minha mãe, que o [corpo] da minha mãe ainda estava lá. Eles mesmos descobriram o erro”, disse a filha Josélia Ribeiro, em prantos, ao “SPTV” (TV Globo). Os filhos precisaram voltar à UPA e desta vez puderam fazer o reconhecimento visual do corpo de Antônia, e depois realizaram outro enterro, no próprio Cemitério da Saudade, em que a dor da perda se repetiu mais uma vez.

OUTRO LADO
A prefeitura de Taboão da Serra disse, segundo o “SPTV”, que como medida para evitar o risco de contágio dos próprios parentes em caso suspeito de covid-19 não é mais permitido que as famílias façam reconhecimento dos corpos das vítimas. A administração também reconheceu que ocorreu erro duplo, tanto da funerária quanto da UPA, e pediu desculpas para as duas famílias. Afirmou ainda que abrirá um processo administrativo para apurar os fatos.

POR ALCEU LIMA, Especial para o VERBO ONLINE, em Taboão da Serra

Deixe seu comentário - OPINE!

Seu email não será publicado.