Fernando contrai coronavírus, mas já se recupera e volta a trabalhar na prefeitura nesta 4ª-feira

O prefeito Fernando Fernandes (PSDB) contraiu o novo coronavírus, mas passa bem e já está quase recuperado. Ele teve sintoma há mais de dez dias, leve, uma pequena dor de garganta, e resolveu fazer o exame do cotonete, que colhe secreção no nariz e garganta (RT-PCR). O resultado foi divulgado no domingo (19), positivo. Secretários e outros funcionários que tiveram contato com o prefeito fizeram o teste para covid-19 nesta segunda-feira (20).

Fernando comentou que é impossível saber como se infectou. Como não teve o sintoma característico da covid (febre e tosse) e se sentia bem, seguiu trabalhando normalmente, mas sem descuidar das medidas de prevenção, como seguir o isolamento social, usar álcool em gel, máscara e luvas muitas vezes. Desde que soube da infecção, ele está isolado em casa. Conforme o VERBO apurou, porém, ele já estará de volta à prefeitura nesta quarta (22).

Fernando tem tido uma postura considerada ativa em momento desafiador para a saúde não apenas de Taboão, mas do Brasil e do mundo. Em 23 de abril, ele dividiu os méritos com a imprensa, inclusive a local, ao destacar que os veículos de comunicação dão contribuição importante em “não deixar que as fake news prevaleçam”. Agora, a cobertura da imprensa regional tem sido facilitada pela transparência do governo municipal sobre a pandemia.

Aliás, Fernando – que é médico – orienta a população antes de a covid-19 se espalhar no Brasil. Em 4 de fevereiro, 20 dias antes da confirmação do primeiro caso no país, ele veio a público para “falar sobre algo que tem tirado o sono das pessoas, o coronavírus”, e alertar que os que tivessem retornado do exterior havia 14 dias com sintomas “como febre maior que 37,8º, tosse e sintomas […] como falta de ar podem ser considerados casos suspeitos”.

De lá para cá, Fernando criou o comitê municipal de acompanhamento contra coronavírus, suspendeu as aulas da rede municipal, decretou estado de calamidade com fechamento de comércios e serviços não essenciais e instalou o hospital de campanha. Entregou cestas básicas às famílias mais necessitadas, fez a desinfecção de ruas e pontos estratégicos, distribuiu máscaras de proteção nos bairros e comunidades e criou mais 20 leitos, entre outras ações.

Fernando se manteve no comando das ações, apesar de fazer parte do grupo de risco (idosos e doentes crônicos) – tem 68 anos e é hipertenso. “Tenho que me preocupar com as obras para a cidade. Mas tem uma coisa maior no momento, a pandemia, o que absorve muito a gente emocionalmente, eu sou um convite para o coronavírus. Mas eu não posso parar de trabalhar, não dá para o general não ir à guerra, tenho que estar presente”, declarou.

Além do prefeito, outros membros do governo foram infectados pela covid-19, os secretários Takashi Suguino (Administração) e Fabio Fernandes (Governo) e o vice-prefeito Laércio Lopes (PSDB), que se recuperaram sem complicações. Outras lideranças de Taboão se infectaram e já se curaram, como o pré-candidato a prefeito Oderlan de Souza (PT) e o presidente municipal do PSOL, Rodrigo Martins. Taboão registra 2.048 casos e 179 óbitos.

Por ADILSON OLIVEIRA,Especial para o VERBO ONLINE, em Taboão da Serra

Deixe seu comentário - OPINE!

Seu email não será publicado.