Taboão usará cloroquina em pacientes com novo coronavírus, anuncia Fernando

O prefeito Fernando Fernandes (PSDB) anunciou em vídeo neste sábado (11) que os pacientes infectados pelo novo coronavírus atendidos em Taboão da Serra serão tratados com cloroquina mediante autorização da família. Com a vantagem de já ser aprovado para uso em seres humanos há décadas, para tratar malária e doenças autoimunes como lúpus, o medicamento tem sido testado com aparente sucesso na China e na França, apesar dos riscos.

Capaz de modular o sistema de defesa humano, a cloroquina poderia ajudar o organismo a combater o coronavírus sem ter uma reação desmedida contra a infecção, o que também pode ser um problema. O medicamento, contudo, tem contraindicações, pacientes com problemas de coração, psoríase e diabetes devem ter cuidado com o uso. E também efeitos colaterais, que podem incluir náuseas, diarreia, vômito e dores de cabeça, e debilitar o paciente.

Fernando indicou que a cloroquina será usada com cautela ao frisar que provoca reações que podem ser perigosas. “Quero informar que, juntamente com a Secretaria da Saúde, decidimos usar a cloroquina no tratamento dos casos de covid-19 desde que prescrita pelo médico responsável pelo paciente e autorizado pela família. Ressalto que a cloroquina não deve ser usada sem prescrição médica, porque seus efeitos colaterais são muito adversos”, disse.

Antes de se ter que recorrer a uma droga, Fernando destacou a importância do isolamento social, também na festa cristã deste domingo. “É muito importante que você fique em casa neste feriado de Páscoa, para que a curva de contágio seja achatada em nossa cidade e em nosso Estado. Principalmente agora em que os casos começam a se agravar”, disse. Neste sábado, a prefeitura confirmou a oitava morte de morador de Taboão, um homem de 43 anos.

O prefeito recomendou cuidado se o morador precisar ir para a rua e reforçou quanto aos hábitos de higiene. “Fique em casa e não se descuide da prevenção. Lave as mãos com água e sabão sempre e, se precisar sair de casa, use máscara, se possível”, orientou. Mais tarde, em novo vídeo, Fernando disse “que esta é uma Páscoa diferente de todas as outras para a grande maioria”, para insistir que o momento requer sacrifício contra uma pandemia.

Como exemplo, Fernando chegou a citar o cancelamento da tradicional Paixão de Cristo neste período da Páscoa, para evitar aglomeração e o contágio. “Neste domingo não estaremos com os nossos familiares e amigos da maneira como gostaríamos. A pandemia do covid-19 nos exige cuidados extras e um comportamento social diferente. Aqui em Taboão, deixamos de ter a nossa Paixão de Cristo, que encanta milhares de pessoas há 64 anos”, argumentou.

PorALCEU LIMA, Especial para o VERBO ONLINE, em Taboão da Serra

Deixe seu comentário - OPINE!

Seu email não será publicado.